Equinócio de Outono: tempo de recolhimento e descoberta interior

 

          Vivemos tão desconectados da Natureza que não nos preparamos para uma nova estação. Continuamos a mesma velha rotina, os mesmos hábitos, a mesma alimentação, quer estejamos no calor do verão, ou no tépido frio de nosso inverno.

          Apesar de vivermos num país tropical, onde as diferenças das estações não são muito pronunciadas, temos que reconhecer que algo sempre muda.

          Estamos agora nos aproximando do Equinócio do Outono, a porta de entrada para a nova estação. A energia muda, as condições do tempo mudam e, assim como fazemos rituais para comemorar a Lua Cheia com práticas meditativas, também temos que colocar nossa atenção no que o outono nos traz para aproveitar o melhor da estação, mantendo o melhor para a nossa saúde. Não há como negar que as mudanças de estações têm uma profunda influência em nossa saúde.

          No outono, o ar começa a se mover numa brisa mais fresca que, aos poucos, vai se tornando mais fria. Também, “as águas de março que fecham o verão” darão lugar a um tempo mais seco. Leve, frio, seco, errático, móvel são as qualidades predominantes no outono.

          Na linguagem do Ayurveda, dizemos que estamos num tempo Vata, biotipo que é representado pelas qualidades acima que vêm dos elementos ar e éter.

          A mudança de temperatura e a secura do ar podem trazer os resfriados, gripes, tão comuns nessa época, assim como pele seca, constipação e pensamentos erráticos que podem se traduzir em ansiedade, insônia e medo.

          Para manter o equilíbrio, a sabedoria ayurvédica nos ensina contrapor hábitos e alimentação a essas qualidades que estão muito presentes nesse momento.

          Para evitar a secura desse período, massagear o corpo inteiro com óleo de gergelim morno, deixar por 10 minutos e depois enxaguar o corpo com água quente, de preferência sem usar o sabonete nesse banho. Isso ajuda a diminuir a secura, a prevenir problemas articulares e músculos contraídos. Passar também um pouco do óleo de gergelim por dentro das fossas nasais, utilizando o dedo indicador,  ajudará a evitar a secura desse epitélio.

          Para se contrapor ao frio e à tendência a digestão mais irregular, priorizar alimentos quentes e cozidos. Os sabores que equilibram vata são: doce (não se refere a alimentos com açúcar), ácido e salgado. Os que desequilibram, principalmente por suas qualidades secantes e frias, que devem ser restringidos, são: amargo, picante e adstringente.  Alimentos como o kicharee são excelentes opções para o almoço de um dia mais frio, variando os vegetais agregados e, no jantar, preferir os legumes no vapor e as sopas. Comer menos saladas cruas.

O chá Yogi é uma excelente bebida para o outono!
 

          Como Vata é móvel, mas errático, nossa mente poderá estar fervilhando com mil pensamentos que poderão levar à ansiedade e insônia. Outono e inverno são períodos onde devemos estar mais dentro de nós mesmos, um tempo para introspecção, para um maior conhecimento de nosso próprio ser. Reserve mais tempo para desfrutar do silêncio e mantenha uma prática meditativa consistente.

 

          Nos dias mais frios, mantenha o corpo aquecido e aqueça-se também com o convívio dos amigos, com o aconchego de seus ambientes.

          A prática de yoga é excelente em todas as estações e, no outono/inverno, procure fazer os exercícios num ritmo mais lento para se contrapor à mobilidade de Vata e dê uma especial atenção à respiração, já que Vata se relaciona com os pulmões e também com o Sistema Nervoso. Práticas excelentes são: Surya Namaskara, posturas de torção que estimulam o funcionamento do intestino, postura de eliminação de gases, Vaca-gato, Shavásana para aterrar e relaxar, respir